Home / Blog / Porque você não deve evitar o sol

Corpo, mente e espírito

Porque você não deve evitar o sol

27/03/18 - Escrito por: ines

Somos animais de hábitos diurnos, o que significa que muitas funções de nosso organismo se orientam pela presença ou ausência de luz solar. Daí a importância de um ciclo diário, ou ritmo circadiano. Exemplos são diversos hormônios, cuja secreção varia bastante no decorrer do ciclo de 24h, trazendo alterações para o organismo. A melatonina tem sua liberação aumentada quando escurece, provocando sono. O cortisol é liberado em maior quantidade de manhã, dando-nos energia para sair da cama.

Assim, a variação na incidência de luz conforme a estação do ano ou o tempo e hora do dia em que nos expomos a ela tem acentuada influência sobre nosso bem-estar físico e emocional. A luz solar faz mais bem do que mal se usada corretamente.

Os benefícios são maiores que os malefícios

Hoje os seus malefícios, como o câncer de pele, parecem sobrepujar os benefícios, tanto que protetor solar já virou item de cuidado pessoal básico. Sabe-se, também, que os raios solares ultravioleta contribuem para a formação de catarata nos olhos, fazendo dos óculos escuros com filtro outro item imprescindível. E as queimaduras solares podem causar insolação e reativar vírus latentes, como o herpes.

Ainda assim, conforme a Organização Mundial de Saúde, exposição excessiva aos raios ultravioleta contribui muito pouco (0,1%) para o ônus representado globalmente por todas as doenças.

Luz solar e vitamina D

O mais conhecido benefício é a síntese de vitamina D, que reduz inflamações e auto-imunidade, melhora a função do cérebro, melhora o humor e o sono, melhora a imunidade, entre muitas outras funções que tem. Ela é sintetizada pela pele, ou seja, ocorre um processo de fotossíntese a partir dos raios ultra-violeta UVB. Para pessoas de pele clara, 30 minutos de exposição no verão e na hora do almoço em trajes de banho pode iniciar a liberação de 50.000 UI (1,25mg) de vitamina D na circulação sanguínea 24h após a exposição. Em pessoas mais bronzeadas são geradas somente 20-30.000 UI e em pessoas de pele escura somente 8-10.000 UI. A exposição saudável ao sol é aquela que não deixa a pele vermelha/queimada. Se assim ficar, é porque a exposição foi longa demais.

Segue a recomendação de exposição ao sol para uma boa produção de vitamina D, com o sol a pino e 60% da pele do corpo exposta, 3 vezes por semana:

  • Para quem tem pele clara: 15-20 min
  • Para quem tem pele bronzeada: 25-30 mim
  • Para quem tem pele escura: 40-45 min

Isto vale somente em países tropicais e sub-tropicais, já que nos países frios o sol não é forte o suficiente para gerar vitamina D. Pode-se usar óleo de coco, aloe vera (babosa) ou extrato de chá verde como proteção, já que todos tem efeito anti-oxidante.

Mais benefícios da exposição solar

Desde que passamos a viver em grandes cidades, morando em apartamentos e trabalhando em escritórios, e não nos locomovemos mais a pé, a nossa exposição à luz solar diminuiu muito, o que contribui para a deterioração de nossa saúde. Veja, a seguir, as diversas vantagens da exposição à luz do sol.

  • Ela faz seu cérebro trabalhar mais rápido e melhor – voluntários expostos por 30 minutos a uma intensa luz azul, que tem o mesmo comprimento de onda da luz solar, e depois submetidos a exames de imagem do cérebro, tiveram ativado seu córtex pré-frontal, a parte do cérebro responsável pelas funções mais nobres como o planejamento e a tomada de decisões. A luz também parece ter aumentado sua acuidade mental, pois processaram informações e reagiram mais rápido do que outros voluntários expostos a luz de cor âmbar.
  • Ela melhora a função sexual – Foi feito um pequeno estudo com 38 participantes que se queixavam de baixas libido e satisfação sexual. Metade foi exposta a uma luz de espectro completo (imitando a luz solar) por 30 minutos durante 2 semanas. O outro grupo foi exposto a uma falsa luz solar durante o mesmo período. Os do primeiro grupo relataram melhoras significativas na função sexual, aliada a um aumento de 70% nos níveis de testosterona se comparados com os do início do estudo.
  • Diminui a produção de hormônios do estresse – o cortisol é o hormônio que nos acorda de manhã, mas sua secreção é também determinada pelo estresse. Quando este é cronicamente elevado, pode causar o acúmulo de gordura visceral e encolher o centro de memória no cérebro. Pessoas expostas durante algumas horas à luz azul (também presente na luz solar) tiveram seu nível de cortisol diminuído em até 25% em comparação ao início do estudo.
  • Melhora o sistema imunológico – a luz solar tem efeito relevante sobre a função imune do organismo. Reduz a incidência de doenças auto-imunes (esclerose múltipla, artrite reumatoide, etc.). Isto se deve às células T, ou linfócitos T (um tipo de glóbulo branco), especialmente numerosas na pele, serem fotossensíveis, ou seja, ficam mais ativas com a luz solar.
  • Pode melhorar a miopia – já se observou que a probabilidade de alguém desenvolver miopia, que está se tornando uma epidemia global, se reduz em 2% para cada hora passada ao ar livre por semana, especialmente em pessoas jovens, embora as causas ainda não estejam claras. Também a exposição aos raios solares UVB é associada a uma redução da miopia.
  • Diminui a probabilidade de se desenvolver diversos tipos de câncer e outras doenças – pessoas que vivem em climas frios, e assim tem menos exposição aos raios solares, tem maior risco de desenvolver linfoma de Hodgkin, câncer de mama, ovários, cólon, do pâncreas, próstata e outros. Também a chance de desenvolver esclerose múltipla, diabetes tipo 1 e hipertensão aumentam com a falta de sol. Doenças infecciosas ocorrem mais no inverno devido à menor exposição ao sol e consequente menor produção de vitamina D que combate infecções bacterianas e virais.
  • Contribui para o bom sono – quando nos expomos ao sol logo no início da manhã, a produção de melatonina (o hormônio do sono) se inicia mais cedo, propiciando um bom sono e combatendo a tensão pré-menstrual (TPM).
  • Aumenta a produção de endorfinas, que são neurotransmissores que proporcionam a elevação da autoestima. Também reduzem sintomas depressivos e de ansiedade, além de manterem o controle do apetite.
  • Melhora doenças da pele como eczema atópico, acne, dermatite seborreica e rosácea.
  • A exposição aos raios UVA aumenta a liberação de óxido nítrico da pele, que é um potente vasodilatador, reduzindo a pressão arterial e melhorando a circulação sanguínea.

Luz solar é alimento

A luz solar pode, então, ser considerada um alimento que absorvemos pela pele com ajuda dos “painéis solares” representados pela melanina, que dá cor à pele. A melanina tem a função de nos defender da ação maléfica dos raios ultravioleta. Ao absorver estes raios, nosso corpo aumenta a produção de melanina, deixando a pele com um tom mais escuro.

A luz solar é também alimento para as emoções, pois é mais agradável olhar para o céu quando está azul do que quando está cinza, não é? Portanto, passe mais tempo ao ar livre e curtindo um banho de sol, nem que seja só nos finais de semana. Sua saúde agradece!

Compartilhe:

Deixe seu comentário: